programa principal

Walnice Nogueira Galvão participa da Flip 2019

Pesquisadora responsável pela edição definitiva de “Os sertões”, principal de Euclides da Cunha, Autor Homenageado da Flip 2019, a crítica literária e cultural Walnice Nogueira Galvão é o segundo nome confirmado para a 17ª edição da Festa Literária,que acontece de 10 a 14 de julho, em Paraty. A jornalista e editora Fernanda Diamant é a curadora do Programa Principal, que tem direção geral e artística do arquiteto Mauro Munhoz.

 

 

Vida e obra

 

Walnice Nogueira Galvão (São Paulo, 1937) é professora emérita de teoria literária e literatura comparada da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). Galvão lecionou, ainda, nas universidades americanas Austin, Iowa City, Columbia e, na Europa, nas universidades Paris VIII, Freie Universität Berlin, Poitiers, Colônia, École Normale Supérieure, Oxford, Berlin 2.

 

Com uma pesquisa voltada à crítica literária e da cultura,Galvão é responsável pela edição crítica de “Os sertões”, obra que estudou ao longo de duas décadas. A edição crítica,considerada definitiva, publicada em 1985, foi feita a partir da leitura dos livros, jornais, manuscritos e panfletos que fizeram parte da formação do próprio Euclides da Cunha. A obra, publicada originalmente pela editora Brasiliense,uma das mais importantes casas editoriais do Brasil, teve também edições, pela Ática e a Abril. A mais nova edição, de 2016, é da UBU-Sesc.

 

Em sua obra, 12 dos 40 livros publicados são dedicados a Euclides da Cunha e a Guerra de Canudos. Em 2009, lançou “Euclidiana: ensaios sobre Euclides da Cunha”(Companhia das Letras). Na obra, a autora analisa “Os Sertões” e investiga diferentes e pouco conhecidos fatos sobre Euclides da Cunha. Em 2010, recebeu o prêmio Academia Brasileira de Letras pelo livro. “No calor da hora”, sua primeira obra sobre a Guerra dos Canudos, publicada em 1973, será relançada em 2019 pela CePe.

 

Galvão é também especialista na obra de Guimarães Rosa, tema de sua tese de doutoramento na USP. Entre os livros publicados sobre o autor está a edição crítica de “Grande sertão: veredas”, para a qual encomendou uma série de ensaios sobre a obra.

 

Para Galvão, as edições críticas são um meio de manter a obra atualizada em diferentes tempos históricos. "Daqui a um ou dois séculos, sem o aparato crítico, boa parte das referências de Proust estariam perdidas”, disse. Sobre a obra de Euclides da Cunha – “Os Sertões” – ela afirma que o autor procurou produzir “uma obra de arte literária que expressasse suas preocupações com a justiça social.” Ela conclui dizendo que o livro, “exemplo de cidadania, esse “livro vingador”, como (Euclides da Cunha) o chamou, é um monumento erigido à memória dos heroicos canudenses e uma reivindicação em prol do respeito aos direitos humanos.”

 

Flip 2019

A 17ª Flip, que acontece de 10 a 14 de julho, tem curadoria de Fernanda Diamant e Euclides da Cunha como autor homenageado. Está confirmada também a presença de Kristen Roupenian.

 

Quem faz a Flip

A Flip tem o patrocínio do Ministério da Cidadania, através de sua Secretaria Especial de Cultura, a partir do Edital de Feiras Literárias e por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, além de Apoio da EDP e da CMPC. A edição 2019 continua em fase de captação de recursos.

share
Logo da Casa Azul