autora convidada

Grada Kilomba, autora de "Memórias da Plantação", é confirmada na Flip

Escritora,teórica, psicóloga e artista interdisciplinar, Grada Kilomba é a quinta presença confirmada na 17ª Flip, que acontece de 10 a 14 de julho em Paraty. A portuguesa – com origens em Angola e São Tomé e Príncipe – é autora de Memórias da Plantação: Episódios do racismo cotidiano, que será lançado no Brasil durante a Festa Literária pela Editora Cobogó. O livro, publicado originalmente em 2008, analisa e desvela a atemporalidade do racismo cotidiano, preenchendo lacunas sobre o tema e estabelecendo conexões entre raça, gênero e classe. Importante representante do feminismo negro, Grada realiza um trabalho híbrido que usa como suporte livros, performances, leituras, colagens, filmes e instalações.

 

“O trabalho de Grada Kilomba transita por muitos meios diferentes: está na academia e nos palcos de teatro, em bienais de artes plásticas e nos livros. De modo análogo, suas criações ocupam lugares dinâmicos, elas não se deixam fixar: passam por questionamentos sociais amplos bem como pela atenção às memórias, aos afetos e à intimidade. Além disso, sendo ao mesmo tempo europeia e filha de africanos, tem uma posição singular a partir de onde observar o mundo”, afirma Fernanda Diamant, curadora do Programa Principal.

 

Para o arquiteto Mauro Munhoz, diretor geral e artístico do programa principal da Flip, "a obra de Grada Kilomba é tão combativa quanto criativa. Se, por um lado, questiona rigorosamente nossos pressupostos e modos de estar no mundo, por outro, cria aberturas para vislumbrarmos, pela arte, novos horizontes possíveis".

 

 

A autora

Grada Kilomba nasceu em Lisboa, em 1968, e atualmente vive em Berlim. Na capital portuguesa, cursou Psicologia Clínica e Psicanálise no Instituto Superior de Psicologia Aplicada, onde era a única estudante negra do departamento. Na instituição, trabalhou com sobreviventes de guerra de Angola e de Moçambique. Em 2008, foi ganhadora de uma bolsa da Fundação Heinrich Böll, ocasião em que se mudou para Berlim para cursar doutorado em Filosofia na Freie Universität. No âmbito filosófico, Kilomba reformulou o conceito do Outro cunhado por Simone de Beauvoir – que defende que a mulher é o outro absoluto por ser definida em relação ao homem. Para Kilomba, a mulher negra – desconsiderada na categorização de Beauvoir – é o outro do outro, por não ser nem branca e nem homem. A autora é, inclusive, uma importante influência na obra da filósofa brasileira Djamila Ribeiro, que integrou o Programa Principal da Flip 2018.

 

Em 2016, Kilomba passou a integrar o circuito de arte contemporânea quando foi convidada a apresentar a performance Illusions, que recupera memórias e realidades de um mundo pós-colonial, na 32ª Bienal de São Paulo. A partir disso, integrou apresentações e mostras em diversos países como África do Sul, Canadá, Inglaterra e Itália, entre outros.

 

A obra

Em julho, durante a Flip, será publicado no Brasil seu livro Memórias da Plantação (Cobogó, 2019). Com tradução da Mestre em Estudos da Tradução pela UFSC, Jessica Oliveira de Jesus, a publicação é resultado do doutorado em Filosofia realizado em Berlim. A partir do aprofundamento em textos de intelectuais negros como Philomena Essed, Frantz Fanon e bell hooks, Kilomba analisa a herança colonial e patriarcal presentes na sociedade e busca definir o racismo contemporâneo. Na obra, a portuguesa revela os passos que levam à consciência do racismo – “recusa, culpa, vergonha, reconhecimento e reparação” – que, segundo a autora, dizem respeito a um processo psicológico, e não uma questão moral.

 

Exposição na Pinacoteca

De 6 de julho a 30 de setembro, será realizada a primeira exposição individual de Grada Kilomba no Brasil. A mostra vai ocupar as quatro salas contíguas à exposição do acervo histórico da Pinacoteca no segundo andar. A portuguesa apresenta, ao todo, quatro obras: Illusions 1, comissionada pela 32ª Bienal de São Paulo em 2016; Illusions2, de 2018; Table of Goods, de 2017; e uma inédita concebida especialmente para a Pinacoteca.

 

Flip e EDP

“Como maior investidora portuguesa no Brasil, a EDP acredita em apoiar a cultura e a arte dos países de língua lusófona, e que evidenciam a riqueza e a diversidade do idioma, o mais falado no hemisfério sul do planeta. Por isso, é a principal patrocinadora da reconstrução do Museu da Língua Portuguesa e, mais recentemente, foi a primeira empresa a anunciar o patrocínio máster destinado à restauração do Museu do Ipiranga. Nesse sentido, cremos que a trajetória e a produção literária e artística de Grada Kilomba refletem as relações históricas e culturais que unem os países que falam português, e também impulsionam reflexões que precisam ser feitas acerca dos erros, acertos e lições que marcam esse caminho”, afirma Luis Gouveia, diretor do Instituto EDP.

 

 

Flip 2019

A 17ª edição da Flip acontece de 10 a 14 de julho, em Paraty, e tem o escritor Euclides da Cunha como Autor Homenageado. Estão confirmados os nomes de Walnice Nogueira Galvão, Kristen Roupenian, Kalaf Epalanga e Sheila Heti.

 

Quem faz a Flip

A Flip tem o patrocínio do Ministério da Cidadania, através de sua Secretaria Especial de Cultura, a partir do Edital de Feiras Literárias e por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, além de copatrocínio da EDP e da CMPC. A edição 2019 continua em fase de captação de recursos.

share
Logo da Casa Azul