cobertura

Programa Educativo: Ciclo Literatura e Território no quarto dia

- Ciclo Literatura e Território

O sábado (28.07) foi de legado criativo na Flipinha. Após participarem do Ciclo Literatura e Território, escolas municipais, estadual e bibliotecas comunitárias de Paraty expuseram trabalhos realizados em conjunto por alunos, bibliotecários, professores e coordenadores pedagógicos no auditório do colégio Cembra. “A Flip foi pensada como um evento que acontece no território de Paraty, para chamar atenção às questões locais”, disse Belita Cermelli, diretora geral da Flip responsável pelo Educativo. Também estavam presentes autoras convidadas que participaram de oficinas nas escolas, como Lúcia Hiratsuka, Marie Ange Bordas e Selma Maria Kuasne.


Curadora pedagógica do Programa Educativo, Beatriz Goulart celebrou os trabalhos que resultaram do ciclo, chamados de inventários. “As escolas desenvolveram uma pesquisa no território. Tem escola costeira, rural, urbana, cada uma apresentando aqui seu contexto próprio”. A Coordenadora de Educação Patrimonial do Iphan, Sônia Rampim Florêncio, mencionou a candidatura de Paraty à Patrimônio Cultural e Natural da Unesco e comentou a importância da educação patrimonial, “voltada ao espaço de vida das pessoas”.

share
Logo da Casa Azul