cobertura

Casas parceiras: homenagem a Cony e oficinas cheias na sexta

- Casa Folha

A Casa Folha é uma das mais movimentadas da Flip. Uma fila enorme se formou às 9h30 da manhã desta sexta-feira: os visitantes queriam garantir seu lugar na homenagem do cronista Ruy Castro ao escritor Carlos Heitor Cony, que morreu em janeiro de 2018.


- Casa Fedrigoni

A oficina de colagem ministrada pelo artista gráfico André Hellmeister na manhã desta sexta-feira teve tantos inscritos que a equipe precisou colocar uma mesa extra para acomodar todos os interessados.


- Casa Maria Angélica Ribeiro (M.A.R)

O Coletivo Transverso e os participantes da oficina matutina produziram uma série de lambe-lambes para colar pelas ruas de Paraty.


- Casa Europa

A Igreja Santa Rita ficou cheia para a palestra “Revolução sexual e de costumes em 1968”, promovida pela Casa Europa, que contou com a historiadora alemã Nina Reusch e o coreógrafo e performer Wagner Schwartz. A conversa tratou de sobre liberdade, revolução, feminismo e luta contra o preconceito, tendo como pano de fundo o ano de 1968.


A exposição No coração de Maio 68, do fotógrafo Philippe Gras, ocupa a Casa Europa durante a Flip. A mostra marca os cinquenta anos da revolução que tomou Paris.


- Casa da Porta Amarela

A conversa “Mulheres que escrevem poesia” reuniu as poetas Jarid Arraes, Estela Rosa, Taís Bravo, Danielle Magalhães e Rita Isadora Pessoa, que falaram sobre o processo pelo qual passaram até assumirem a escrita em suas vidas.


Publicações independentes como as da Editora Quelônio estão à venda no espaço. Entre os livros disponíveis, está Eu sou a monstra, com poema da Autora Homenageada de 2018, feito artesanalmente em uma tipografia.


- Casa Libre/Nuvem de Livros

Na mesa  “Vozes que não se podem calar: encontro entre Conceição, Carolina e Marielle”, que lotou a Casa Libre nesta sexta-feira, a escritora Conceição Evaristo disse sobre a experiência de ler Quarto de Despejo, de Carolina Maria de Jesus: “Ela poderia ser minha mãe. O que ela passava pelas ruas de São Paulo nós passávamos pelas ruas de Belo Horizonte”. Participaram da conversa Janaína Damasceno, Marcelo Freixo e Tom Farias, sob mediação de Vagner Amaro.


- Casa Edições Sesc

Hoje Paraty parou para acolher Fernanda Montenegro no lançamento de sua fotobiografia. A Sesc Edições montou um telão em área externa para comportar o público, que lotou o espaço em que Fernanda conversou com Danilo Miranda, diretor do Sesc. “Aprendi tudo o que eu sei na vivência com o palco”, contou ela. Muito aplaudida, a atriz falou de cultura, política, passagens de sua carreira e do processo de elaboração da obra. Ao final, citou a festa literária: “Quero agradecer à Flip por ter trazido a figura da Hilda Hilst e por poder lançar meu livro aqui”.


- Casa SESI-SP Editora

Só mesmo em Paraty para uma contação de histórias acontecer de cima de um cavalo. A autora Selma Maria prendeu a atenção da plateia, formada sobretudo por crianças.


- Casa da Literatura

Como tomar a iniciativa para lançar os próprios livros, sem depender do aval de uma grande editora? Na Casa da Literatura, da Secretaria do Estado do Rio de Janeiro, os escritores Isabelle Reis, Lucinei Campos e Gerson Moreira participam da conversa “A publicação independente no mercado editorial”.


share
Logo da Casa Azul