notícias

Joana Gorjão Henriques

Joana Gorjão Henriques participa da Flip 2017

O pós-colonialismo português é um mundo de conflitos não resolvidos: conflitos políticos, conflitos étnicos,conflitos raciais. As marcas deixadas pelos quase cinco séculos de domínio lusitano sobre Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Guiné Bissau são um dos principais interesses da jornalista e escritora Joana Gorjão Henriques, confirmada na Flip 2017, que acontece entre os dias 26 e 30 de julho, em Paraty.


Gorjão Henriques soma-se ao expressivo contingente de estrangeiros lusófonos presentes na 15ª edição da Flip. Já foram confirmados Frederico Lourenço, Djaimilia Pereira de Almeida, Luaty Beirão e Pilar del Río, além de toda a programação paralela que será apresentada pela Casa Amado e Saramago, em uma parceria inédita.


A autora


Joana Gorjão Henriques nasceu em Lisboa, em 1975. Em 1999, começou a escrever sobre cultura – sobretudo teatro – para o jornal Público, onde trabalhou pelos dez anos seguintes. Em 2007, participou do lançamento do suplemento cultural Ípsilon, para o qual colaborou também até 2009. Estudou jornalismo na Universidade de Harvard e sociologia na London School of Economics.

Voltou ao Público em 2011, e desde então escreve sobre política internacional e portuguesa e sobre direitos humanos. Também colabora regularmente para o britânico The Guardian.


Em 2016, lançou Racismo em português: o lado esquecido do colonialismo (Tinta-da-China), uma coletânea de cinco longas reportagens em que investiga o racismo como prática e como herança nas antigas colônias africanas de Portugal.


“Ouvi sempre a mesma versão do colonialismo, ensinada pelos portugueses. Mesmo quando havia a crítica,apresentava-se Portugal como um ‘bom colonizador’: um colonizador que se misturou com as populações, que nunca exerceu sobre os povos colonizados a violência que outros colonizadores exerceram. Raramente visto como um sistema racista, o colonialismo português não era questionado como tal. Prova disso é que os portugueses continuam a falar de si mesmos enquanto descobridores e enquanto povo integrador”, escreveu a autora, em uma apresentação do livro escrita para o Público.


"O Brasil se tornou independente muito antes que os países da lusofonia visitados pela Joana Gorjão Henriques”, afirma Joselia Aguiar, curadora da Flip 2017. “Será muito importante ouvir seu relato e compreender o que para nós foi e é diferente ou semelhante, de que modo integramos essa comunidade de falantes da mesma língua, compartilhando essa cultura e história em comum, o que implica também as relações de cor, as questões de identidade local".

 

Flip 2017


A 15ª edição da Flip, com curadoria de Joselia Aguiar, homenageia Lima Barreto e já tem confirmados os nomes de Marlon James, Diamela Eltit, Scholastique Mukasonga, Lázaro Ramos, Lilia Schwarcz, Felipe Hirsch, Frederico Lourenço, Conceição Evaristo, Djaimilia Pereira de Almeida e Luaty Beirão.

 

 

Patronos 2017


O Programa de Patronos é um plano de mecenato voltado a pessoas físicas que apoiam a realização da Festa Literária Internacional de Paraty.

 

Além de contribuir para aviabilização dos 5 dias de evento, o patrono fomenta as ações educativas depermanência promovidas pela Flip no território.

 

Os benefícios incluem ingressos para a Programação Principal da Flip, convites para o coquetel de boas-vindas com a participação dos autores, e encontros com a curadora e com o diretor-executivo da Casa Azul, entre outras atividades.

 

Mais informações pelo e-mail patronos@casaazul.org.br.

 

Quem faz a Flip


A Casa Azul é uma organização da sociedade civil de interesse público e sem fins lucrativos que desenvolve projetos nas áreas de arquitetura, urbanismo, educação e cultura. Há mais de vinte anos, desenvolve ações capazes de potencializar transformações no território, a exemplo da Flip. Em Paraty, onde a associação se originou, esse processo levou à realização de ações de permanência, como a Biblioteca Casa Azul e o Museu do Território de Paraty, que seguem em funcionamento durante todo o ano.

share
Logo da Casa Azul