notícias

segundo dia

Vidas em transição: dependência química e literatura

Na última mesa da quinta-feira (30) na Flip, o escritor escocês Irvine Welsh, autor de Trainspotting, obra que marcou a contracultura dos anos 1990, falou sobre como decidiu tornar-se um escritor de ficção. Ao lado do agente literário e escritor Bill Clegg, conversou sobre dependência química e o tema como matéria-prima literária.


“Eu tinha um impulso forte de não querer ser limitado pela verdade. Queria ir além dela, construir fabricações, invenções. Fazia mais sentido aceitar isso, e não tentar escrever um livro de memórias. Me encontrei na ficção. Me deparei com algo que era fadado a fazer. Foi uma sensação de alívio."

 

Sobre a linguagem de Trainspotting, extremamente informal e solta, contou que os esboços iniciais eram em inglês padrão, mas que aquilo não funcionou. “Parecia pretensioso as pessoas falarem daquele jeito. Eu queria que os leitores sentissem como se estivessem dentro da sala, sentissem o bafo na nuca. A linguagem inglesa é fantástica, mas muito imperialista, controladora, com tudo no lugar certo. Eu queria algo mais funkybang bang bang, que pulsasse as energias, personagens e cenários. Foi uma sucessão de erros e acertos até encontrar a batida certa.”

 

Bill Clegg ressaltou a importância dos anos de formação em sua obra. “É quase desanimador se dar conta do quanto o período da adolescência nos assombra, mas é útil no romance. Tudo permanece, e nós continuamos a trabalhar nas questões de diferentes modos ao longo da vida”, disse. “Não há escapatória. É a base para a construção de uma história”, reforçou Welsh.

 

Tema central na obra de ambos, a dependência química foi citada como ponto de identificação entre eles e os leitores. “Drogas e álcool afetam todos, sejam viciados ou não. Você sempre conhece alguém nessa situação”, disse Clegg. “É uma questão sintomática. É difícil entender por que Trainspotting ainda ressoa, mas para mim não é tanto sobre as drogas como é sobre transição. Sempre que há uma transição na sociedade, há uma epidemia, e drogas são um tipo de epidemia. Mais do que uma mudança em si, as drogas são um indicador de mudança”, disse Welsh.

 

Ao fim da mesa, Clegg deu conselho aos jovens escritores: “Tenha baixas expectativas em termos de dinheiro. Se você realmente quiser ganhar dinheiro, trabalhe em banco ou algo assim. Siga o que você ama, sabe? Tente não pensar demais, simplesmente vá em direção ao que você responde com mais força”.

share
Logo da Casa Azul